mercredi, novembre 16, 2005

Lar, doce lar...

Há um mês deixávamos a Europa. Depois de quase dez meses estudando, viajando, conhecendo lugares e pessoas, pegamos o avião de volta pro Brasil. A ficha demorou pra cair, mas caiu, e a verdade é que depois de já ter passado um mês em Porto Alegre, nossa estada na Europa já nos parece algo como um sonho que acabou, tão bom quanto rápido.
A saudade que tínhamos das pessoas e coisas daqui, aos poucos vão se transferindo para o que deixamos lá. Amigos, segurança e o fato de morarmos juntos com certeza fazem muita falta. É claro que os confortos do lar compensam, mas ainda assim dá saudade. Como seria bom poder juntar os dois lados do Atlântico, andar de carro com a segurança de que se vai chegar em casa (na nossa época o pessoal ainda não queimava carros em massa...), comer um bom churrasco por menos de 10 euros, ver carne todo dia, DVD e computador em casa... Pena que não dá, quem sabe um dia, né?
O nosso começo no Brasil foi engraçado. Estranhávamos escutar as pessoas falando português nas ruas, não estávamos mais acostumados a sentir tanto sol nos olhos, nem a comer tão bem por tão pouco. Nossa percepção das coisas mudaram também. Não conseguimos mais ver os mendigos e crianças de rua como algo normal. Não conseguimos caminhar ou dirigir sem achar que a qualquer momento seremos assaltados. Mas vamos indo.
Já vimos quase todos os nossos amigos e parentes. Já fomos ao cinema, locamos DVD, entramos na piscina e fomos até em rave! O futuro ainda é uma incógnita, pelo menos até março. Por enquanto, vamos só curtindo essas nossas férias, sem grandes projetos.
Então, aí está. Mais de um mês depois do último post, voltamos a escrever. Entre os Alpes e o Brasil, muito aconteceu. Visitamos Genebra, Strasbourg e ficamos uma semana em Paris com o Felipe e a Natalia, nossos amigos de Poitiers. Foi uma semana tão boa que já não estávamos mais contando os dias para o nosso vôo de volta. Mas, como eu disse, aí está. Notícias nossas depois de muito tempo. Ainda não vamos encerrar oficialmente o blog, pois ainda temos fotos para colocar da viagem. Espero que não demoremos outro mês para fazer isso...

jeudi, octobre 06, 2005

Alpes

Nossa ultima noite em Salzburgo foi um horror. Estavamos cansados, ja tinhamos passeado por toda a cidade, e entao resolvemos ir dormir cedo, la pelas dez. Eis que por volta das tres da manha eu acordo com o ronco ensurdecedor de um cidadao dormindo na cama na minha diagonal. Nao me estressei, achei que devia ser so eu que tinha acordado, e fiquei tentando dormir. Impossivel. Nao adiantava nada enfiar o travesseiro em cima da cabeca, entrar pra dentro das cobertas... Incrivel, nunca tinha ouvido um ronco tao forte. Resolvi olhar pra cama de baixo, a da Ana, e vi que ela tambem ja estava acordada, puta da cara. Antes que nos mexessemos pra fazer algo, um outro cara tambem acordou, pegou alguma coisa de dentro da lata de lixo, que estava do lado da cama dele, e tentou, sem exito, atirar no roncador. Todo o quarto tinha acordado ja aquela altura. Desci da minha cama e fui balancar o cara, pra falar pra ele se virar, sei la, fazer alguma coisa, porque daquele jeito nao dava. Quem disse que o cidadao acordou? Cutuquei, balancei, e nada. Fui ate o banheiro, peguei papel higienico, fiz umas bolinhas e toquei nele da minha cama. Nao adiantou nada. A Ana foi la, balancou, cutucou o cara, e nem sinal de vida. Fui eu de novo, e assim por diante, ate a hora que a Ana chegou no ouvido dele e comecou a gritar, enquanto sacudia ele: "Fogo, fogo, o predio ta pegando fogo! Acorda!". Ai, finalmente, ele acordou e parou de roncar por um tempo (o suficiente pra nos conseguirmos dormir de novo).
No outro dia de manha, completamente moidos da noite mal dormida, pegamos o trem pra Zurique. Era pra viagem demorar seis horas, mas obvio que com a nossa sorte algo ia acontecer de errado. Um trecho dos trilhos estava trancado entre a Austria e a Suica, e entao tivemos que descer do trem, pegar um onibus e pegar um outro trem em uma mini estacao. Mas valeu a pena a viagem. As paisagens eram lindas, atravessamos os alpes, vimos as montanhas com neve eterna no pico, os lagos refletindo o ceu, os riachos de agua verde... muito bonito mesmo.
Chegando em Zurique, fomos ao centro de informacoes turisticas e nao e que o cara que nos atendeu reconheceu, pelo nosso sotaque, que eramos brasileiros?? Ele ja tinha passado nao sei quantos meses no Nordeste, e esse domingo ia de novo pra la, passar mais seis meses (nao sei como ele tem tantas ferias...). Falamos pra ele dar uma passadinha no Sul, nossa dica basica pra qualquer um que sinalize a possibilidade de ir ao Brasil. Nos instalamos no albergue e fomos dar uma volta. Ai tivemos nosso primeiro susto na Suica: os precos sao absurdos! Tudo e muuuito caro, carissimo. O menu do Mc custa tres euros a mais que na Austria, a massa - ate a massa! - custa mais que o dobro que no resto da Europa, um horror. Ainda bem que so reservamos cinco dias da viagem pela Suica. De volta ao albergue, ja de noite, tivemos nosso segundo e bem mais aterrorizante susto: topamos com o roncador descendo as escadas, e ele vinha do andar do nosso quarto! Pavor total, ainda mais que nosso quarto tinha duas camas livres quando saimos. Por sorte, ele nao estava la. Achamos que ele estava no quarto ao lado, junto com um paulista chato que conhecemos.
Hoje passeamos pelo centro de Zurique. O centro e bem pequeno, bonito, com o rio cortando ele ao meio. Tem um certo charme suico no ar... Estamos gostando muito daqui. Um detalhe interessante e que realmente nao esperavamos e que aqui no centro tem diversos, digamos, cenros de meretrizes, alem de cinemas e lojas "nao convencionais", com artigos para adultos. Tem fotos das meninas semi nuas nas portas, fazendo a propaganda dos lugares. E eles aceitam ate cartao de credito! Mas enfim, a cidade e bonita, e isso e o que importa.
Amanha vamos pra Genebra. Nao achamos nenhum albergue livre por la, mas mesmo assim vamos arriscar. Se tudo der errado, acho que vamos pegar um trem para Strasburgo, na Franca. A unica coisa certa e que domingo chegaremos em Paris, e ai vao faltar so sete dias pro nosso voo de volta...

lundi, octobre 03, 2005

Austria

A Austria e maravilhosa, estamos amando esse pais. Depois de Munique fomos pra Viena, a paixao do Bruno. Eu tambem gostei muito, a cidade e linda, cheia de predios bonitos, com um ar mais cosmopolita e glamouroso que as cidades que visitamos antes. Eu particularmente preferi Budapeste e Praga, embora tenha gostado de Viena, mas o Bruno preferiu Viena. Agora estamos em Salzburgo, uma cidade bem pequena e muito lindinha. Tem varios castelos por aqui, uma zona meio murada so para pedestres - acho que e a cidade antiga - e o rio e verde, totalmente verde, nunca tinha visto algo parecido! Hoje fomos para uma caverna de gelo que tem aqui por perto, a maior caverna de gelo do mundo, e o passeio foi simplesmente maravilhoso. De cima dos alpes austriacos se tem uma vista maravilhosa, com montanhas e florestas, tudo acima de algumas nuvens - parecia que entre algumas montanhas rochosas passavam rios de nuvens. La em cima ja e bem frio, mas dentro das cavernas e literalmente congelante - parece que a temperatura la dentro e, no verao, 0°C - mas vale muito a pena passar todo esse frio. E impressionante ver as formacoes de gelo dentro daquela caverna, e o mais impressionante de tudo e que e natural! E tudo escuro la dentro, e como existe uma preocupacao em nao esquentar a temperatura la dentro pra que as formacoes de gelo se mantenham, nao tem iluminacao nenhuma, entao temos que andar com umas lamparinas especiais, que nao sao com fogo normal, sao com um fogo que nao e quente - tentamos algumas vezes esquentar as maos la sem sucesso. O guia as vezes ilumina algumas formacoes especificas com uma luz especial tambem, acho que e magnesio. Enfim, o passeio foi maravilhoso, e estamos encerrando a viagem com chave de ouro. Depois daqui, Suica, Paris e BRASIL!!!!
PS: pra quem quiser ver, o site da tal caverna e www.eisriesenwelt.at

mercredi, septembre 28, 2005

Munique

Estamos curtindo muito a Oktober! Ontem passamos a noite inteira la, mas dessa vez nao bebemos pra poder curtir o dia hoje. Afinal, Munique nao e so a Oktoberfest. Na verdade, Munique e tudo aquilo que esperavamos que Berlim fosse e nao era: moderna, bonita, vibrante, enfim, a cara da Alemanha. Ate as pessoas sao mais simpaticas! Bem que podiam transportar aquele predio do Parlamento Alemao de Berlim pra ca e transferir a capital para Munique...
A cidade e toda bonita, com ruas largas, predios modernos convivendo com predios historicos e imponentes. A praca central e muito legal, bem como o calcadao principal. E engracado ver, espalhados por todos os cantos das ruas, dezenas de estatuas de leoes, em tamanho natural, mas cada qual de um jeito: uns vestidos de cozinheiros, outros de surfistas, outros de hippie... Achamos que o leao deve ser o simbolo da regiao ou algo do genero, porque eles estao por tudo! Alias, uma coisa que esquecemos de contar e que na Polonia, principalmente em Varsovia, viamos a mesma quantidade de estatuas desse tipo, mas nao eram leoes, e sim vacas. Vai entender...

mardi, septembre 27, 2005

Oktoberfest

"- Dig dag dig dag
- Hey! Hey! Hey!
- Dig dag dig dag
- Hey! Hey! Hey!
- Dig dag dig dag
- HEY! HEY! HEY!
Alles Prost, Alles Prost, Alles Prost...."

Com essa musiquinha, cantada entre uma musica e outra, as bandas dos biergarten da oktoberfest incitam o publico a brindar e beber de suas canecas de 1 litro de cerveja.
Ontem chegamos em Munique bem cansados, e decidimos que nao fariamos turismo nem nada de mais, so dariamos uma voltinha pela Oktoberfest para ver como e onde era. Acontece que isso e impossivel. Chegando la nao tem como sair, nao tem como nao beber e andar nos brinquedos mil que tem por la. Aquilo la e muito bom! Como disse o Bruno, e uma Disney com cerveja! O parque e enorme, enorme mesmo, com varias tendinhas tradicionais vendendo comida e souvenirs da oktober. Tem tambem alguns restaurantes e muuuitos brinquedos, montanhas russas, carros choque, elevadores que caem... E, claro, os biergarten, enormes galpoes com musica alema e muuuita gente bebendo cerveja. Mas o mais legal e ver todos os alemaes vestidos tradicionalmente, homens e mulheres de todas as idades com roupinhas alemas, bebados cantando em cima das mesas. Depois de muito procurar lugar, achamos uma mesa e pedimos uma cerveja (1 litro!!!). Demos muita sorte, porque na nossa mesa tambem estavam sentados uns sul-africanos super legais. No segundo caneco ja estavamos todos cantando e dancando em cima da mesa, muito legal! E foi so o primeiro dia! Agora vamos fazer um pouco de turismo por Munique e, mais tarde, Oktoberfest!

samedi, septembre 24, 2005

Budapeste - a Paris do Leste

Nada melhor do que passar o aniversario na beira do Danubio, vendo os morros, monumentos e castelos de Budapeste. A cidade e muito linda, realmente lembra Paris. Cada rua, cada predio e bonito, tem seu encanto. A diferenca pra Paris se mostra quando olhamos menos pra cima e mais pra baixo, pras paredes e monumentos pichados, pros mendigos nas ruas, com alguns carros que parecem ter testemunhado todo o periodo comunista andando nas ruas. Mas mesmo assim e linda.
Na verdade, o comeco nao foi muito alentador. Demoramos um pouco pra achar nosso albergue, e quando achamos nos assustamos: o portao do predio parecia ser o de uma casa mal assombrada, ou algo do genero. O predio estava caindo aos pedacos, tivemos ate medo de pegar o elevador. Mas o quarto do albergue em si era super bom, e acabou valendo a pena.
Nao sabemos o nome de nada do que vimos em Budapeste, mas o que vimos valeu a pena. Um portao gigantesco, predios com detalhes dourados, castelos, estatuas, pracas e pontes. Ficou faltando o banho nas termas, mas isso fica pra uma proxima - gostamos tanto dessa cidade que decidimos que vai haver uma proxima em algum momento da vida!
Ah, um detalhe que eu estava esquecendo era a viagem entre Krakowia e Budapeste. Saimos as dez e meia da noite e chegariamos as nove e pouco da manha. Conseguimos ficar sozinhos em uma cabine do trem, entao pelo menos pudemos deitar. Mas quem disse que dava pra dormir? Eu estava super estressado que alguem entrasse e tentasse nos roubar - ja haviamos ouvido falar de roubos em trens na Polonia. Mas o pior e que o trem era pinga-pinga! E ainda atravessava a Eslovaquia no caminho! Resultado: fomos acordados umas oito vezes no total, entre pedidos pra ver nossos tickets e pra carimbar nossos passaportes. Pelo menos nossos passaportes estao ficando bem bonitos, cheios de carimbos...
Agora ja estamos em Praga, e estamos adorando tambem. O clima da cidade e bem legal, ja se parece mais com a Europa Ocidental do que com a Hungria ou a Polonia. Hoje so ficamos dando voltas, nos perdendo pelas ruelas, vendo feiras, enfim, curtindo e conhecendo a cidade. Amanha vamos atras dos pontos turisticos, e segunda partimos direto pra Oktober!

mercredi, septembre 21, 2005

O maior crime da historia

Todos ja ouviram falar do Holocausto: seis milhoes de pessoas exterminadas em campos de concentracao nas maos dos nazistas. Todos conhecem essa historia. Mas nao se pode ter a menor nocao de como era sem ir e ver de perto. Foi o que vimos em Auschwitz, o maior campo de concentracao, onde mais de um milhao e meio de pessoas morreram, em sua maioria judeus. O cenario e gigantesco, a atmosfera pesada, mas o que vimos e ouvimos la constituem algo extremamente chocante. Nunca paramos para imaginar como era a vida naquele lugar. Ate chegar la e ver. Ver o "banheiro", fileiras de latrinas onde cada preso tinha cerca de um minuto para fazer todas as suas necessidades. Com tantos presos e tao pouco tempo, nao fica dificil imaginar a situacao do lugar. Ver as camas de madeira, triliches, onde em cada nivel dormiam cinco ou seis prisioneiros, sem nenhum isolamento do frio, que podia chegar a trinta graus negativos no inverno. Muitos morriam congelados. Ver como eram selecionadas as pessoas a serem mortas nas camaras de gas: os grupos de pessoas que chegavam dos trens eram separadas em duas fileiras, mulhere e criancas, e homens. Os considerados nao aptos ao trabalho pelos medicos nazistas eram mandados diretamente as camaras de gas, imaginando estarem indo tomar banho. Interessante que tal analise medica durava cerca de tres segundos com cada individuo. Mas antes de morrer, os judeus tinham os cabelos cortados e os pertences tomados. Depois de mortos, os dentes de ouro retirados. Nada era desperdicado. Os cabelos eram vendidos para a industria textil alema como materia prima. Mais de mil empresas alemas utilizaram a mao de obra escrava dos campos de concentracao. Mas nada e mais chocante do que ver, no museu em Auschwitz, toneladas de cabelos prontos para serem enviados para a Alemanha, os sapatos dos adultos e os sapatinhos das criancas, igualmente mortas sem piedade, "para que nao continuassem a raca", os milhoes de oculos apreendidos. Nada era desperdicado, segundo nosso guia polones, em nome da eficiencia alema.
Um fato interessante, e horrivel, e que os alemaes perceberam que os seus soldados nao podiam mais comandar tantas execucoes: eles simplesmente estavam ficando loucos matando tanta gente! Solucao: os alemaes levaram para Auschwitz pessoas que nao se importariam com tal trabalho: criminosos alemaes, assassinos, estupradores, psicopatas... Imaginem do que nao eram capazes tais pessoas tendo ali, a sua merce, tantas vitimas para se deliciar.
Valeu muito a pena ir ate Auschwitz. Ficamos tocados, chocados, sem acreditar em muito do que viamos e ouviamos. Como esta la escrito, que nunca esquecamos do que houve, para que nunca mais se repita.