lundi, janvier 31, 2005

Bordeaux

Sexta-Feira, dia sem aula, acordamos às 6 hs da manha. Objetivo: pegar o TGV para Bordeaux às 7:47. Queriamos chegar la umas 7:30 pra nao corrermos o risco de perder o trem, como quase aconteceu na vinda de Paris pra Poitiers, e como iamos a pe para a Gare, tinhamos que sair de casa la pelas 7. Sete horinhas, aquele frio horrivel, ninguem na rua, escuridao total, la iamos nos bem felizes pegar o trem. Chegamos na Gare pra variar bem perdidos, sem saber o que fazer nem pra onde ir. Nao sei bem como nem com quem, acabamos descobrindo que o trem nao ia sair - a SNCF, companhia de trem aqui da França, estava em greve "parcial" (tinha uns trabalhando), e teriamos que pegar o trem seguinte, das 8:41. Depois de mais de uma hora de espera, finalmente embarcamos, e..... surpresa!!!! Nao tinha lugar pra todo mundo, todas as cadeiras estavam ocupadas e tinha uma galeeera em pe. Viajamos ate Angoulême que nem sardinha enlatada, de pe, entre um vagao e outro do trem com mais um monte de gente. Pra completar tinha um cara que era igual ao Daniel Auteil - o ator frances -, e ficava olhando pra todo mundo com um meio sorriso, tipo "olha so que legal, estamos vivendo uma aventura!!". Em Angoulême metade do trem desceu, e ai deu ate pra deitar.
Em Bordeaux, ficariamos em um Albergue, mas descobrimos q ia sair mais barato ficar em um hotel na frente da rodoviaria, e nos instalamos. O hotel era de um marroquino simpatico - o bairro todo em volta da Gare e meio arabe -, e era caindo aos pedaços, o carpete todo rasgado, a tampa da patente quebrada... e acho que as chaves dos quartos eram meio intercambiaveis entre si, pq no meio da noite, o Buno dormindo e eu quase, abriram a porta do nosso quarto (imagino q sem querer)! Eu acordei o Bruno apavorada, ele balbuciou gritando alguma coisa em algum dialeto primitivo e sairam ("Pardon").
Bordeaux é uma cidade linda, vale a pena ser visitada. é beeem maior q Poitiers. Nossas andanças por la, conto por meio de fotos:
Saimos do hotel e fomos andando em direçao ao centro de Bordeaux, onde ficam os monumentos. No caminho, topamos com esse arco, e descobrimos que é uma parte do caminho de San Tiago de Compostela. Iguais a esse tem muitos outros pela cidade, muito mais do que voces podem imaginar.
Essa é a Catedral Santo Andre, que fica bem no centro, na frente do Hotel de Ville.
A primeira foto é um monumento na frente da catedral. A segunda, o Hotel de Ville.
Esse é um jardim lindo, que fica atras do Hotel de Ville e na frente do Museu de Belas Artes. Nos entramos nesse museu no sabado (quase todas as fotos foram tiradas na sexta), e é bem legal, tem ate tres quadrinhos do Renoir. Fomos tambem no Museu de Arte Moderna, recomendado pelo guia que o Lourenço, Eduardo, LG e Jouglans deram pro Bruno no niver dele - estamos usando muito! -, mas voltando pro museu, so tem aquelas coisas sem pe nem cabeça de arte moderna, tipo Bienal, que a gente olha e pensa: "isso é arte?" Gostamos muito mais do museu tradicional, o de Belas Artes.
Essa é a Place Gambetta. Achamos ela por acaso porque nos perdemos.
O Bruno, em uma rua bonitinha. Embaixo, o Grand Theatre e a Vinotheque.
Enfim, o ponto turistico mais conhecido de Bordeaux: o monumento aos Girondinos. Antes de termos o visto ao vivo, nao nos pareceu nada de mais, mas ao vivo ele é simplesmente fantastico, maravilhoso. Na ultima foto eu apareço.
Essa é a Basilica Saint-Michel, outra igreja bonita de Bordeaux. Na frente dela, tinha uma feira em que so falavam arabe (inclusive os vendedores, que gritavam tipo "tecido baratinho, pechincha, so tanto a peça", so que em arabe) .
Por fim, o rio de Bordeaux. Depois ainda fomos ao Jardim Publico, que é muito lindo, mas tinha acabado a pilha da maquina.
Sabado voltamos para Poitiers (voltariamos domingo, mas mudamos os planos) sentadinhos no trem, sem problema nenhum.

mardi, janvier 25, 2005

Inicio das Aulas

Segunda-feira passada começaram nossas aulas. Como em qualquer lugar do mundo, tem umas cadeiras muito boas, outras muito chatas, professores bons e professores ruins. Mas saimos dessa primeira semana com a impressao de termos assistido a mais cadeiras legais do que chatas, com professores mais bons do que ruins - embora alguns sejam meio chatos. Talvez essa primeira impressao se desfaça com o passar do tempo, talvez se fortaleça - uma so semana nao é um bom parametro. Mas as perspectivas sao boas.
Todos os professores falam um frances plenamente inteligivel. Sao poucas as palavras que nos nao entendemos, e geralmente pegamos a ideia geral do que o professor esta falando. Eles sao bem metodologicos e geralmente bem didaticos. Todos entregaram um plano, com a materia dividida em capitulos e os capitulos divididos em seçoes. Os alunos copiam freneticamente tudo o que o professor fala, e ninguém faz perguntas. As aulas da licença sao em um anfiteatro, daquele tipo que a ultima fila é bem mais alta que a primeira, tipo escada, e as do mestrado sao em uma sala de aula normal.
Na primeira semana, todos - ou melhor, quase todos - começaram fazendo uma especie de introduçao da materia. (quase porque o de econometria aprofundada saiu tocando a materia de uma maneira que nao deu pra entender direito o frances e nao deu pra entender nada da materia - apavorante) Ai que nos ficamos orgulhosos da nossa faculdade, porque a gente ja tinha tido tudo aquilo, a gente sabia do que eles estavam falando, e sabia bem! E eis que veio a segunda semana - sim, hoje ja é terça, uma da tarde, e hoje de manha nos tivemos uma aula de politica economica que queimou todos os meus neuronios. Na primeira metade da aula, o professor falou sobre... nem sei direito... algo relacionando a teoria dos jogos com a politica economica do governo, utilizando alguns conceitos que nos "ja sabiamos"... serio, fiquei seriamente preocupada, nos vamos ter que estudar MUITO pra entender essas aulas! Mas enfim... Agora vamos pra "Firmas, Mundializaçao e Desenvolvimento", entregar um trabalho que ja tivemos que fazer... e é so o começo...

jeudi, janvier 20, 2005

Mais fotos

Parc Blossac. é como se chama o parque que fica a meia quadra da nossa casa. Ele é lindo, muito bonito mesmo, sempre que da a gente vai la (apesar do frio congelante). Algumas fotos.
A lagoa com patinhos voadores e a pobre cegonha, que vive sozinha, andando de um lado pro outro. Porque sera que os malvados do parque nao trouxeram pelo menos mais uma cegonha pra fazer companhia à outra?? Reparem so na carinha de tristinha e solitaria do pobre bichinho...
Os bodes do Senegal. Eles devem sentir muuuito frio! A coisa mais legal é dar folhas na boca dos bodes, como eu faço na segunda foto.
Por fim, uma das muitas estatuas do parque, o anjinho tocando flauta. A segunda foto é a vista do canto direito ao fundo do parque. é linda essa cidade, nao é?

lundi, janvier 17, 2005

Chez nous

Eis nossa casa. Um studio meublé pequeninho, porém aconchegante! Vejam com seus proprios olhos...



Ao fundo, com os casacos pendurados, a porta de entrada. A esquerda da pra ver a pontinha da nossa cozinha, e, à direita, uma estante cheia de coisas que nao entraram no armario e a "lareira" - é fechada, entao nao da pra colocar fogo. Pra nos, serve como uma outra estante, e na frente dela ficam as malas, que nao entram em lugar nenhum. Olhem que lindas, na estante da lareira, as tulipas holandesas amarelas que o Bruno me deu! Ao lado delas, algumas fotos. Bem à direita, se ve a cama, e bem à esquerda, a mesa. A porta na frente da mesa (que nao da pra ver direito) é do banheiro de tomar banho - a "salle de bain". Ao lado dessa porta, tem outra (que tambem nao da pra ver), a do outro banheiro - o "toilette". Abaixo, algumas fotos detalhando partes especificas do nosso apartamentinho - que, como voces veem, é bem "inho".



Eis nossa cozinha. Esse movel é ao mesmo tempo geladeira (abaixo, à esquerda), fogao (sobre a geladeira), pia (ao lado do fogao) e armario (abaixo da pia). Acima, a estante onde guardamos as compras - nao da pra fazer muitas...



A cama! A janela nao tinha cortina, entao, para nao acordarmos todas as manhas com a luz do sol, transformamos um dos edredons que trouxemos em cortina.



Por fim, a unica parte da casa que nao aparece na primeira foto. A outra janela, a mesa (cuja ponta aparece na primeira foto) e o sofa, onde qualquer eventual visita pode dormir. Para evitar dores nas costas, recomenda-se trazer um colchonete. Reparem nas roupas secando na frente da calefaçao. Entre essa janela e a da foto anterior, e essa calefacao e a da foto anterior, ainda tem um armario, que nao aparece em nenhuma foto.

vendredi, janvier 14, 2005

Isso é que é RU! Ja da biblioteca nao podemos dizer o mesmo...

Com certeza sou uma das pouquissimas pessoas no mundo que, daqui a alguns anos, vai poder dizer essa frase sem passar por mentiroso : "Eu vi a Ana Paula comendo no RU". Ta, tudo bem que nao é o da UFRGS, com suas bandejas de presidio central e tal, mas RU é RU em qualquer parte do mundo. E devo dizer que no daqui da ate gosto de comer.
Pra começar, nao se trata de um RU pra cada campus da Université: tem uns dez RUs espalhados pela cidade, é como se os restaurantes se associassem à Universidade e passassem a oferecer esse serviço aos alunos. E cada RU tem um cardapio melhor que o do outro. No do centro, por exemplo, pode escolher entre o menu tradicional (entrada + pao + queijo + prato quente + sobremesa), menu de massa (pao + queijo + massa + sobremesa) ou so pizza. Tudo com varias opcoes. Os outros dois em que a gente ja comeu, que sao no nosso campus, nao devem em nada a esse do qual eu falei, e às vezes até o superam. Sério mesmo, é muito bom comer no RU em Poitiers! Sem contar que custa so 2,50€, o que nao é nada pros padroes daqui. E claro que no primeiro dia em que fomos comer no RU pareciamos duas baratas tontas, sem saber pra onde ir, mas isso nao vem ao caso...
"Abobadice" maior mesmo foi quando fomos ao banco abrir nossa conta. Ficamos parados na frente da porta, que aparentemente estava trancada, olhando pra todos os lados sem saber o que fazer. Isso ate percebermos a existencia de um botaozinho do lado da porta. Entao, pra entrar, funciona assim: você aperta o botao "Sonner", e ai toca um sinal; você espera ("Patientez"), e quando a luzinha que diz "Passez" se acende, voce pode abrir a porta. Mas, você ainda nao esta dentro do banco. Ali, a gente fica preso entre duas portas, sendo filmados, e tem que repetir o procedimento do botaozinho. Uma baita burocracia, tanto pra entrar quanto pra abrir a tal da conta bancaria, mas acho que o sistema realmente inibe assaltos.
Agora, uma decepçao: o sistema das bibliotecas daqui é muito atrasado. Primeiro: nao ha um catalogo online pra voce procurar seu livro na biblioteca; tem que ir olhando fichinha por fichinha. Segundo: quem pega o livro e nao leva pra casa tem que ele mesmo botar no lugar. Obvio que com isso os livros ficam desorganizados, e mesmo depois de achar o livro nas fichinhas, você nao consegue achar ele na prateleira. Terceiro: nao ha um sistema central que organize todas as bibliotecas. Vou ilustar isso com o meu caso, ocorrido numa noite muito fria de janeiro:
Separei os livros pra pegar na Biblioteca da Economia, fui ate o balcao munido do meu cartao da biblioteca, e eis que o sujeito me diz que o cartao da biblioteca nao é pra ser usado na biblioteca, que eu deveria ir com ele ate a "Granbei", e dali em diante nao entendi mais nada. Segui as orientaçoes que o cara me passou, andei dum lado pro outro, e nao achei a tal "Granbei". Voltei la pra falar com o cara, isso tudo com a Ana se sentindo mal, e ele me diz mais ou menos o mesmo, que eu deveria ir na "Granbei" fazer alguma coisa com o meu cartao da biblioteca. Isso tudo meio antipaticamente, achando que era a coisa mais obvia do mundo a localizaçao da tal "Granbei". Sai dali, novamente perdido, e fui pedindo informaçao, até que uma mulher nos apontou onde era a tal "Granbei". Fui ate la, morrendo de frio, e descobri que quando ele falava "Granbei" ele estava dizendo "Grande B.U.", ou seja, a Grande Biblioteca Universitaria. Uma vez la, fui no balcao do terreo, expliquei minha situacao de estrangeiro desassistido, e o sujeito, verificando o meu cartao no computador, ve que eu nao existia pra universidade. Meu cadastro estava todo em branco! Dali, entao, fui mandado pro andar superior, onde apos muita confusao, o cara me cadastrou e me classificou (a classificacao define o numero de livros que a pessoa pode pegar. Alguem do mestrado, por exemplo, pode pegar mais livros que alguém da graduacao). E me disse, antes de me mandar de volta pro cara do andar de baixo, que eu tinha direito a pegar 5 livros, 2 VHS e 2 DVDs. Fui la, ai descobri que o cartao da biblioteca aquele era pra ficar de reserva la com eles, caso eu perdesse a minha carteira de estudante (que, alias, é um caso à parte: nao é algo tipo UFRGS ou PUC, um cartaozinho magnetico com codigo de barras; é uma folha de papel maior que A4, dividida em varias partes, e que voce tem que sair dobrando pra caber na carteira. Terrivel). Ja estava feliz, achando que tudo estava resolvido, quando, chegando na Biblioteca da Economia, o cara passa minha carteira de estudante e diz que com aquela classificaçao ele nao pode me emprestar os livros. Cada vez mais irritado, falei o que me disseram, dos 5 livros, 2 VHS e 2 DVDs, mas de nada adiantou. Voltei entao à Grande BU, falei com o homem que me havia atendido, uma mulher colega dele, e eles resolveram fazer uma teleconferência com a Biblioteca da Economia pra decidirem o meu caso. Agora sim, tudo certo, me reclassificaram, e voltei la pra pegar meus cinco livros. Mas que nada: so pude tirar 3. Ja estava tao cansado que nem fiquei discutindo muito pra pegar meus cinco livros. Nem na UFRGS tinha ido e voltado tantas vezes entre dois lugares.
Um episodio como esse serviu pra que eu me desse conta de que nao é porque estamos no primeiro mundo que tudo é melhor do que no Brasil. A PUCRS e até a UFRGS tem muito a ensinar à nossa universidade aqui nesse campo.
Abaixo, algumas fotos da nossa faculdade:




jeudi, janvier 13, 2005

Cinema e outras coisas

Essa semana foi bem movimentada. Domingo estavamos caminhando na rua, conversando, quando um guri que tinha passado se vira: "brasileiros??" Ele ta aqui ja faz 5 meses estudando Ciencias Politicas e mora com 2 amigos brasileiros. Sao o Felipe, o Jonatas e a Marina. A namorada do Felipe ta passando as ferias aqui - é a Natalia -, mas, infelizmente, ja ta indo embora hoje. Segunda eles passaram la na nossa mansao, e depois fomos dar uma volta em Poitiers - naquela noite quase que conhecemos mais da cidade que na semana anterior inteira!
Terça fomos, o Bruno e eu, ao cinema, ver um filme frances - "Tu vas rire, mais je te quitte". Obviamente nao tinha legenda nenhuma, e nao entendemos naaada do filme. Quer dizer, deu pra pegar uma frase que outra, e a ideia geral do filme a gente entendeu, mas foi muito frustrante mesmo assim, ate porque, pelo que a gente entendeu do filme, ele nao era la essas coisas. Mas voces vejam so, a gente ta numa cidadezinha mini, de 86000 habitantes, e tem um cinema com umas seis salas, um outro cinema que nos nao conhecemos que passa so filmes "alternativos", tem um teatro - que no dia que nos fomos ao cinema tava bombando -, varios barzinhos, casas noturnas, uns enormes supermercados, muitas lojas, inclusive aquelas de departamento de uns 5 andares, cada andar com uma seçao... Em Floripa - capital de um Estado, quantos habitantes?? -, por exemplo, mal se encontra cinema, imagina no interiorl! Nao adianta, primeiro mundo é outra historia...
Ontem fizemos nossa primeira night na Europa. La por umas 7:30 fomos na casa dos nossos amigos brasileiros comer uma pizza e tomar um vinho. Estava junto um amigo deles, tambem brasileiro, o Rodrigo. Depois fomos pro "Pilori", um lugarzinho que parece uma caverna, bem legal. Estavam vendendo caipirinha!!!! O que mais tocava era salsa, merengue, cumbia - essas musicas latinas em geral. Parece que é so o que toca por aqui... macarena, la bamba, essas coisas. Mas o lugar estava bem cheio, as pessoas animadas, e em plena quarta-feira! Gostamos, apesar de termos voltado cedo - era pouco mais que uma hora e eu nao me aguentava mais de sono!
Hoje de manha, vencemos o sono e estavamos, as 10:30, no nosso Rendez-vous na Prefecture de la Vienne pra tentar conseguir nosso Titre de Séjour, um negocio necessario pra obter a CAF - uma ajuda do governo frances pra pagar o aluguel. Teriamos um abatimento no que a gente paga entre 40% e 80%!!! Pois nao é que os !*£%& do consulado frances de Sao Paulo colocaram no nosso visto "Dispensa temporaria de titre de séjour"?!?! Pois é, eles nao queriam nos dar o visto, tiveram que dar mas deram um jeito de mandar um recadinho. Agora a gente nao pode pegar a tal da CAF! Mas tudo bem, no stress, pelo menos talvez a gente consiga um prolongamento de uns 2 meses do visto.
Talvez no findi a gente va pra Bordeaux. Alguem tem alguma sugestao pra nos dar de algum lugar pra visitar la por perto?

mardi, janvier 11, 2005

Fotos de Poitiers

Ja tiramos algumas fotos da nossa cidadezinha. Nao conseguimos passar todas pro computador ainda, na verdade so passamos quatro, mas ja da pra ter uma ideia da cidade.
Nao temos acessado o msn porque os computadores da faculdade, que usamos sem pagar, nao têm msn, e ja tentei instalar e nao deu. De repente no findi a gente vai no cyber, ai a gente ja baixa as outras fotos tambem. Pra quem quiser nos adicionar: anaplm@yahoo.com
Vamos às fotos.
Esse é o centro da cidade. O prédio ao fundo, que nao da pra ver direito, mas que é muito bonito, é o Hotel de Ville - a prefeitura.
Esse é um batisterio que fica na frente do RU do centro. Ele foi construido no século IV d.C. !!!!!
Essa é a Catedral StPierre, que fica bem pertinho do batisterio.
Detalhe da Catedral - as gargulas!! Sao parecidas com as gargulas da Notre Dame, de que eu ja falei. Reparem que tem duas bem perto e mais quatro la no alto da igreja.

lundi, janvier 10, 2005

Poitiers: primeiras impressões

Dia 02 de janeiro, às 09:10 da manhã, saia nosso trem da Gare Montparnasse, em Paris, para Poitiers. Chegamos na gare às 09:00, cheios de malas e sem saber para onde ir. Apos muitos pedidos de informação e muita correria, embarcamos para Poitiers. Chegamos menos de duas horas depois. Descemos apressadamente do trem - dispunhamos so de 5 minutos - e fomos pegar um taxi - nao tinhamos condiçoes de carregar todas aquelas malas ate nossa rua. O taxi chegou rapidamente, e quando nos disse "é aqui", devo admitir que foi um choque. O predio e muito acabado. Mas tudo bem, pelo menos logo poderiamos descansar. Desci a rua e fui pegar a chave no local combinado, o "Hotel IBIS", enquanto o Bruno ficava cuidando das malas na frente do predio. Mas nao tinha chave nenhuma.
Muitas idas e vindas, muitos telefonemas e e-mails depois, resolvemos passar a noite no hotel. Na rua é que nao podia ser, ne, ainda mais com aquele frio. E eis que surge uma luz: o proprietario tinha telefonado pro hotel! No fim, pegamos as chaves e conseguimos entrar no micro apartamento. Trata-se de uma peça unica, com uma cozinha - que se resume a um movel com pia, armario, fogao e geladeira -, uma cama, um sofa e uma mesa. O banheiro é dividido em dois - um para a pia e o box, outro para a patente. é pequeno, mas é bem aconchegante.
Fora a chegada movimentada, os nossos dias aqui foram muito bons. Poitiers é uma cidade pequena, mas tem quilos de restaurantezinhos, lojinhas e lugares pra sair à noite. As pessoas sao bem simpaticas, e a cidade é bem bonitinha - ja estamos nos acostumando com a sujeira da rua e, digamos, idade avançada das construções. A meia quadra do nosso studio fica o maior parque da cidade, que é lindo, lindo, lindo, tem diversas estatuas e diversos bichos - sim, é meio zoologico! Tem passaros (muitos e lindos, tem ate uma cegonha), peixes, coelhos, hamsters, coatis, ate bode tem, e da pra dar comida na boca deles! Ja nos inscrevemos na universidade, compramos o cartao do onibus para 6 meses e até alugamos uma bicicleta. Ja tiramos algumas fotos, tanto da cidade como do parque, depois colocamos aqui - agora vamos almoçar, daqui a pouco o RU fecha. O RU, alias, é um capitulo a parte. Depois contamos.

jeudi, janvier 06, 2005

Fotos de Paris

Abaixo, o Bruno escreveu sobre nossa ida e colocou as fotos da partida. Agora eu publico algumas fotos dos nossos dias em Paris.





A praça da Bastilha era praticamente nossa casa em Paris. Ficava muito perto do albergue, e, por isso, a gente passava por la sempre. Esse é o monumento que foi erguido no lugar onde antes ficava a bastilha, derrubada em 14 de julho de 1789. Contudo, esse monumento so foi erguido em funçao da revolucao de 1830.





Essas fotos foram tiradas entre a Gare de Montparnasse e os Invalides. Note-se a tour Eiffel, envolta pela neblina, ao fundo da primeira foto.
O monumento da primeira foto, que retrata Pasteur, fica na frente do Le Dome. As duas fotos seguintes sao do Le Dome - o ponto laranja na segunda sou eu.
A primeira foto é o tumulo do Marechal Foch, heroi frances na primeira guerra. O tumulo do Napoleao era lindo, estupendo, muito grande, mas nenhuma foto ficou bem - estava muito escuro la dentro. A foto seguinte e de uma parede do Le Dome, em que ha uma representacao do Napoleao recebendo o Codigo de Justiniano, que aparece na foto, e entregando o seu codigo, o codigo napoleonico, que nao aparece na foto. Sob os pes de Napoleao se le algo parecido com: "O meu codigo, pela sua simplicidade, fez mais bem à França que todas as leis que o precederam". Em todas as paredes ao redor do tumulo do Napoleao se via representaçoes do Napoleao com inscriçoes desse tipo. Na ultima foto aparece o Bruno no patio dos Invalides.
Essas fotos sao da Ponte Alexandre III, as "estatuas douradas" com que nos deparamos ao sair dos Invalides. Na segunda, se ve ao fundo a Tour Eiffel.
A Avenues des Champs Elysées iluminada no Revellion, com o Arco do Triunfo ao fundo.
O obelisco iluminado, antes dos fogos.
Nos, com os fogos ao fundo. Ta, eu sei que nos estamos estranhos, nao precisa dizer.
Fotos do Reveillon em Paris.
Logo na chegada da La Defense, nos deparamos com esse arco gigante. Nao parece, mas é realmente grande.
Vista de Paris de cima do arco. Da pra ver ao fundo a Tour Eiffel, e, com muito esforço, o Arco do Triunfo.
Vista da Defense com o arco, e uma escultura de Miro.
Meu galã e a defense propriamente dita - uma escultura "defendendo" a cidade. Abaixo, um predio modernoso da La Defense, com a estatua aparecendo à esquerda.
Por fim, a Place des Vosges.
PS: Depois de publicar o post, tivemos que editar retirando algumas fotos que tinham ficado grandes demais, como a da Notre Dame e uma visao geral da Defense. Oportunamente as recolocaremos no ar.