jeudi, janvier 06, 2005

Porto Alegre - Paris (com fotos!)

Algumas coisas mais precisam ser ditas sobre a nossa vinda ate Paris. Primeiro, queremos ressaltar que ficamos realmente felizes com todos aqueles que foram ate o aeroporto, familiares e amigos de quem ja sentimos muita falta.
Ainda no aeroporto Salgado Filho, vale ressaltar a presença da violinista, com a nossa foto apontando pra Poitiers no mapa da França. Gostamos mesmo da homenagem, viu Mario?
A ida ate Buenos Aires foi bem legal. Viajamos ao lado de um cara duns 30 e poucos anos que conhecia toda a Europa ja, e nos deu entao sugestoes de onde ir quando chegassemos la. que nos chamou a atençao nele e que ele era uma pessoa relativamente jovem e aparentemente cheia da grana! Descobrimos que ele era engenheiro de explosivos, que havia estudado durante dois anos na UCLA, e que, como ele, so existiam outros nove no Brasil inteiro. Ai entao comecamos a entender a orgiem do seu dinheiro, e reforçamos nossa ideia da importancia do nosso estudo, principalmente agora no exterior.
Quanto ao Aeroporto de Buenos Aires, da pra resumir ele em duas palavras: Free Shop. E so o que tem por la, e olha que nos andamos por tudo durante quase 5 horas! Cabe destacar tambem a perfeita fluencia da Ana no espanhol, dom que eu desconhecia.
De Buenos Aires a Madri a viagem foi meio chata, longa e cansativa. Viajamos ao lado duma mulherzinha muito antipatica, mas tudo bem.
Na chegada a Europa, sentimos uma pontinha do frio que nos aguardaria na França. Carimbaram enfim nossos passaportes novos, e a muito custo descobrimos, no exiguo tempo de conexao (20 minutos), onde deveriamos embarcar para Paris.
Viagem rapida, porem muita proveitosa a Madri-Paris. Ao nosso lado, foi um argentino, Carlo, que mora ha 35 anos em Paris, e ele nos deu muitas dicas. E, pasmem, fomos conversando com ele ja em frances, sem essa de portunhol! Ja era noite quando chegamos a Paris, e uma das primeiras coisas que vimos quando descemos do aviao, numa das salas de espera do aeroporto, foi uns 40 muculmanos, em trajes tipicos, se preparando pra rezar. Apos uma espera agoniante pelas nossas malas, saimos dali com o Carlo. Ele e seus amigos que o esperavam nos ajudaram a pegar o onibus certo pra ir ate o nosso albergue, e se nao fosse por eles, certamente teriamos nos perdido! A muito custo, entao, subimos as malas no onibus, e uma meia hora depois descemos na Opera de Paris (a velha), onde andamos uns 200 metros, quase morrendo carregando aquele monte de mala, ate a estacao de metro. Pegamos o metro, descemos na nossa parada e la se foram mais uns 200 metros agonizantes ate o albergue. Mas, enfim, chegamos e nos instalamos.
Ah, vale dizer que sempre que perguntavamos aos franceses nas ruas para onde deveriamos ir, eles sempre eram extremamente solicitos. Perto do albergue, chegou ao cumulo de um cara tirar do bolso um mapa de Paris pra procurar a nossa rua e nos dizer como ir ate la!
Seguem as fotos (finalmente!!!) do aeroporto.