samedi, février 12, 2005

Amsterdam

E incrivel, a cada viagem a gente resolve deixar Poitiers mais cedo. Dessa vez, partimos ontem às 07:18 da manha pra Paris, onde fizemos a conexao pra Amsterdam. A viagem foi muito boa, embora tenha durado ao todo quase sete horas! Viajar de trem cansa muito menos do que de onibus, e a vista a partir de Bruxelas e simplesmente linda, o trem atravessa varias cidadezinhas, numa conurbacao que so termina em Amsterdam. Chegando aqui, nossa primeira surpresa foi na estacao de trem: tivemos que pagar para obter um mapa da cidade. Mais tarde descobririamos que tudo nessa cidade e cobrado, desde o banheiro ao catchup e maionese do Burger King. Deve ter sido arrancando dinheiro de turistas desse jeito que esse paísinho cresceu tanto e hoje tem uma economia maior que a do Brasil! Bom, a estacao e linda, a cidade e toda entrecortada por diversos canais, aquelas casas tipicamente holandesas, todas grudadas, que nem imaginavamos antes. O transito aqui e caotico, meio desorganizado, mas de alguma forma funciona bem, apesar das incontaveis bicicletas que andam pelas ruas dessa cidade. Muitas vezes nao da pra saber se estamos na rua ou na calcada. O nosso albergue e cristao, quem toma conta e um grupo de jovens bem fervorosos, por assim dizer, do tipo que fica cantando musiquinha religiosa, com direito a discussoes biblicas toda noite no cafe. E o mais engracado e que ele fica no meio do Red Light District, uma famosa zona de prostituicao onde as mulheres ficam expostas na vitrine, chamando os cliientes, em geral so de biquini (e olha que tem muita mulher bonita ali!). Pra chegar aqui, passamos por varias dessas, e em cada esquina tem uns dois caras oferecendo cocaina e ecstasy, que nao podem ser vendidas nos cafes. Alias, desses tem muitos, alem de varias lojas especializadas em apetrechos pra fumar maconha. Pelo jeito, os negocios relacionados a drogas e sexo (tem milhares de sex shops e casas de shows com sexo ao vivo) movimentam muito dinheiro por aqui.
Ontem demos uma volta aqui pelo Red Light District, e fomos ate a praca Dam, bem interessante. Hoje, ja descansados, fomos na Casa do Rembrandt, onde e reconstituida a casa em que ele moru durante um certo tempo no seculo XVII. Varias obras de sua antiga colecao pessoal estao expostas la, bem como o atelier onde ele pintava, e diversos pequenos grafites de sua autoria.
Depois, fomos no Museu do Sexo, que conta a historia do sexo ao longo das eras. Nao e muito legal, nada de mais, a Ana nao gostou nem um pouco, alias. Dali, saimos andando ate a casa da Anne Frank, mas a fila pra entrar era imensa, e julgamos que o preco nao compensava a visita. O Museu da Maconha tambem, nem entramos porque era muito caro.
Mais algumas coisinhas sobre Amsterdam: todos, desde a faxineira do McDonald's, falam ingles; o clima da cidade e mais pesado do que nas outras cidades da Franca, talvez por causa do clima provocado pela industria do sexo e pela presenca de muitos traficantes na rua. Mas, mesmo assim, Amsterdam conserva o charme europeu, como se fosse um amalgama de Europa e Estados Unidos. Enfim, estamos adorando essa cidade.